Confronto entre manifestantes e policiais na casa de Temer

Polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes. Agências bancárias, supermercados e restaurantes dos arredores foram depredados

Os milhares de manifestantes que se reuniram nesta sexta-feira (28) no Largo da Batata, em Pinheiros, em protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista, chegaram por volta das 20h10 nas proximidades da residência de Michel Temer, em São Paulo – o presidente, no entanto, não está em casa e sim, em Brasília.

O carro de som, comandado pelo líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos, estacionou em uma praça a cerca de um quilômetro de distância do imóvel; mas alguns manifestantes seguiram até a residência. Ao chegarem, foram alertados pela polícia a não se aproximar. Como uma parte deles não seguiu a ordem, os policiais reagiram com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral.

Os manifestantes começaram a dispersar, mas um grupo tentou resistir, se armou de pedras e de pedaços de calçamento tirados da via pública e montou uma barricada com lixeiras arrancadas. A tropa de choque chegou e avançou em direção a ele com jatos d’água.

Os moradores entraram em desespero; começaram a dar ré nos carros e a trancar portas e janelas.

O saldo final foi de muita sujeira e depredação. O supermercado Pão de Açúcar sofreu ataques dos manifestantes. Duas agências bancárias, do Itaú e do Santander, próximas à Praça Panamericana, foram depredadas:

Pão de Açúcar na Praça Panamericana: vidros quebrados (Adriana Farias/Veja SP)

Fachada do Santander (Adriana Farias)

Agência do Itaú Personnalité (Adriana Farias/Veja SP)

O bar e restaurante Senzala Bar e Grill foi apedrejado. “Foi assustador, vieram para cima. Não eram os manifestantes e sim, black blocs, mascarados e de preto, quebrando tudo e ainda por cima, filmando. Ficamos abaixados debaixo da mesa”, contou a VEJA SÃO PAULO  a professora Violeta Pascoal, que estava jantando no local com seu marido, o médico Nelson Nisenbaum.

Senzala Bar e Grill, na Praça Panamericana (Adriana Farias/Veja SP)

Mesa do Senzala (Adriana Farias/Veja SP)

Mesa do Senzala (Adriana Farias/Veja SP)

VEJA SÃO PAULO também flagrou manifestantes fazendo pichações pelo caminho:

(Adriana Farias/Veja SP)

(Adriana Farias/Veja SP)

(Adriana Farias/Veja SP)

(Adriana Farias/Veja SP)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s