Ceagesp pode deixar a Vila Leopoldina

Prefeitura de São Paulo e União negociam transferência de entreposto para região próxima ao Rodoanel 

O governo federal bateu o martelo sobre a mudança de área da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). A ideia é sair da Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulo, para uma região ligada ao Rodoanel. Nas próximas semanas, a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, deve assinar um acordo de cooperação com o prefeito Fernando Haddad (PT) para a realização de um estudo de viabilidade técnica. O objetivo é medir os possíveis impactos da alteração e escolher um local apropriado para abrigar o entreposto.

+ O mapa da Ceagesp: saiba quando e onde ocorrem as feiras mais bacanas

Esse estudo deverá ficar pronto até maio, quando a nova Lei de Zoneamento de São Paulo será encaminhada para a Câmara Municipal. A medida já havia sido defendida por Haddad em outubro. “O novo terminal terá de ser moderno. Hoje, ele não incorpora nenhum equipamento moderno de movimentação de mercadorias”, disse à época.

Um estudo específico ainda servirá de subsídio para convencer os vereadores a aprovar uma reclassificação do status da região em que a Ceagesp está atualmente instalada, de Zona Industrial (ZPI) para Zona Especial (ZOE) – mesma definição dada ao Aeroporto de Congonhas, ao sambódromo do Anhembi e ao câmpus da Universidade de São Paulo (USP). Essa alteração é necessária para que o local possa ser usado para casas e comércio, além de um parque.

O projeto não deve enfrentar grandes obstáculos na Câmara, por causa do apelo popular. A troca de localidade tem entre seus objetivos desafogar o trânsito, principalmente com a redução do movimento de caminhões nas Marginais do Tietê e do Pinheiros, além de construir casas populares onde funciona a companhia atualmente – área equivalente ao tamanho de 70 campos de futebol.

Ceagesp - pescados

Ceagesp – pescados

A mudança faria parte ainda de um amplo pacote logístico nas pranchetas da prefeitura de São Paulo que pretende retirar os cerca de 76 mil caminhões (ou 44% dos 190 mil veículos pesados que circulam diariamente pela capital) da região do centro expandido da cidade. Esse pacote inclui ainda a restrição ao tráfego de caminhões na região da Avenida Jacu-Pêssego, na zona leste. O tráfego de caminhões também deverá ser reduzido com a ampliação de um terminal privado de cargas instalado às margens da Via Dutra.

Novo modelo

Esse estudo de viabilidade técnica também ajudará a convencer a iniciativa privada a participar do projeto. O modelo de operação ainda não está fechado, mas é provável que empresas e construtoras que tocarão o projeto obtenham autorização para explorar o entreposto em parceria com o setor público. A área a ser escolhida para abrigar a companhia tem de favorecer a logística de abastecimento. Segundo Haddad, já há locais em análise.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s