Cartas sobre a edição 2289

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

Gestão Kassab 54%

Matthew Shirts 18%

Propostas dos candidatos 8%

Táxi 4%

Outros 16%

 

Gestão Kassab

Não houve até agora, e acho que nunca haverá, um prefeito, governador ou presidente “maravilhoso” (“A cidade que Kassab nos entrega”, 3 de outubro). Existem os bons, os mais ou menos e os muito ruins. Não sou grande fã de Kassab, principalmente no quesito politicagem, mas acho que poucos prefeitos deixaram marcas, como é o caso dele com a Lei Cidade Limpa.

GLADIS ANGELA PEREIRA

O ser humano é muito insatisfeito! Kassab está, sim, fazendo um ótimo trabalho na prefeitura. Há itens falhos, mas são pontuais. Enchentes? Sempre existiram. O povo tem de valorizar mais as coisas. Por exemplo, a prefeitura andou instalando milhares de lixeiras, e sessenta por dia são destruídas. Quem deve ajudar a construir uma cidade mais civilizada, em todos os sentidos, são também seus moradores. Parem de reclamar, arregacem as mangas e façam sua parte.

MIRTES WATANABE

Kassab foi o melhor prefeito para os agentes imobiliários que São Paulo já teve. Só foi o pior para os paulistanos.

DUELY MANDELBAUM

Moro no Baixo Augusta e, tendo essa região por base, posso deduzir quão difícil seja governar São Paulo. A sujeira deixada nas ruas nos fins de semana, os grafites horrendos nas praças e em todos os lugares e a falta de educação dos moradores são os principais obstáculos que este e outros prefeitos vão encontrar. Por isso, desejo que São Paulo tenha um prefeito honesto e trabalhador e que Kassab esteja com a consciência limpa em relação ao que fez e, claro, ao que deixou de fazer. A nossa cidade merece tudo de bom.

MUSTAFA BAKURI

A avaliação negativa de Kassab é injusta. Na questão de trânsito e transporte, por exemplo, não podemos jogar toda a responsabilidade nele. Com a redução do IPI dos automóveis, aumentou a frota nas vias urbanas. E, com o maior número de empregos, cresceu também o volume de usuários do transporte coletivo.

CHUNDI KAWANAMI

O índice de aprovação de 20% é até demais para um prefeito que teve a coragem, naturalmente por interesses políticos, de doar uma área valorizada ao Instituto Lula. Kassab teria praticado um ato nobre se a tivesse destinado a fins sociais.

ANESIO SCANDIUCI

Respondendo à pergunta da capa, “Será que estamos sendo justos com ele?”, sugiro que visitem a minha tia que mora em Itaquera e passou mais de um ano esperando pela consulta com um endocrinologista e por um simples ultrassom de tireoide para uma melhor avaliação do seu quadro clínico. Se ela não tivesse conseguido a consulta em Ferraz de Vasconcelos, talvez nem estivesse conosco hoje. É essa a saúde municipal que o senhor Kassab deixa para São Paulo, pois a preocupação dele era bem outra: criar o PSD.

RAFAEL GUERREIRO

Estão realmente sendo injustos com Kassab. Há forças esquerdistas que adoram o “quanto pior, melhor”. Todo prefeito até agora fez mais em alguma coisa e menos em outra, mas nenhum teve peito para acabar com a poluição visual. Ele deu à capital um aspecto de cidade de Primeiro Mundo ao exigir mais respeito ao pedestre. Há um novo ar de cidadania em São Paulo.

WAGNER CARDOSO

Propostas dos candidatos

Excelente a reportagem “Cinco rumos para São Paulo” (3 de outubro). As questões levantadas e o panorama atual demonstrado são muito pertinentes. A matéria permitiu-nos uma melhor avaliação dos principais candidatos e suas propostas.

ANGELICA SIMÕES

Nenhum candidato apontou o descompasso entre áreas da Justiça: o policial prende, o delegado solta ou mantém preso, o juiz solta, o criminoso volta às ruas e mata policiais e gente do povo. De que adianta aumentar contingentes? Isso sem falar nos criminosos menores de idade e nos próprios policiais corruptos. Aliás, quantos deles são coniventes com o crime para preservar a própria vida?

EDITH FRAKENTHAL

Matthew Shirts

Adorei seu artigo (“Mais trocado?”, 3 de outubro). É incrível como a falta de troco é bem-aceita pelos paulistanos. Já presenciei cenas em que clientes foram quase postos para fora a pontapés porque queriam pagar com notas de 50 reais, como se elas fossem lixo. Gostei também da forma como você tentou explicar a origem desse jeitinho brasileiro.

KARIA MARIM TREVUSI

Com referência à crônica desta semana, que diz que a falta de troco é resolvida na base do jeitinho brasileiro, não creio ser essa uma vantagem competitiva. Já deixei de comprar várias casquinhas no McDonald’s porque a atendente não tinha troco para 10 reais, 20 reais. Na lanchonete Subway, umas três vezes a moça me avisou que não tinha troco para 50 reais, mesmo antes de eu fazer o pedido. Fico muito indignada, pois às vezes realmente não temos trocado.

MIRIAM LIMA

Nos Estados Unidos, esse hábito de pedir tudo trocado é tão incomum que, certa vez, em uma loja da Duane Reade de Nova York, eu dei uma nota de 20 dólares acompanhada das moedinhas que permitiriam fazer um troco redondo. A moça do caixa não entendeu nada. Eu tive de explicar como funcionava no Brasil e ela achou o máximo.

NINO DASTRE

A coluna deste fim de semana foi um primor. É mais que obrigação do comerciante providenciar o troco. Acho que o mesmo problema ocorre quando ele devolve a quantia em balinhas. Podemos pagar uma parte da conta com balas?

FREDERICO AFONSO IZIDORO

Sou comerciante e realmente detesto ficar pedindo ao cliente que ajude no troco. Porém, os únicos que poderiam nos ajudar quanto a isso (os bancos) nunca têm dinheiro trocado ou se negam a trocá-lo. Então temos de recorrer à ajuda de nossos clientes ou percorrer a vizinhança em busca de troco. Felizmente, a maioria ajuda com prazer.

CRISTIANA ALBUQUERQUE

Táxi

A respeito da reclamação contra o serviço da Use Táxi presente na carta de Isabel Luiza Ruiz sobre a reportagem “Corrida digital” (26 de setembro), gostaria de prestar esclarecimentos. Na data em questão, 17 de novembro de 2011, o pedido da usuária foi agendado para as 19 horas, com uma imposição: deveríamos mandar apenas carro de grande porte, porque ela estava acompanhada de várias malas volumosas. Ligamos para a cliente e a informamos sobre a dificuldade em conseguir o táxi diferenciado de que ela precisava. A usuária resolveu então cancelar o pedido. Queremos ressaltar a seriedade e o profissionalismo de nossa cooperativa.

EDER WILSON SOUZA DA LUZ

Diretor-presidente da Use Táxi

 

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Cartas: Caixa Postal 14110,

CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s