Bicicletas brancas lembram ciclistas mortos no trânsito

Chamadas de ghost bikes, elas já apareceram nas avenidas Paulista e Vereador José Diniz

No dia 26 de outubro de 2009, um ônibus subiu em uma calçada da Avenida Robert Kennedy, próximo ao Largo do Socorro, matando o ciclista Fernando Martins Couto e o gari Antônio Carlos Ribeiro. O fato viraria só mais uma estatística, não fosse a instalação, em poste próximo, de uma ghost bike. A bicicleta branca, que intriga transeuntes, é um memorial aos ciclistas mortos no trânsito. Há mais duas, nas avenidas Paulista e Vereador José Diniz. Outra chegou a aparecer na Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, mas ficou pouco tempo.

Para a jornalista Renata Falzoni, que pedala há trinta anos, trata-se de uma resistência pacífica. “Nas ruas, as bicicletas são invisíveis, e a manifestação ajuda os motoristas a prestar mais atenção”, comenta. “As ghost bikes funcionam como alerta, mas são apenas o ato final da tragédia”, afirma Arturo Alcorta, ativista há 28 anos.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s