Aplicativo promete resolver problemas de relacionamentos amorosos

A Fila Anda oferece sessões virtuais de terapia com psicólogos e provoca polêmica entre os profissionais da área

Angústias do coração estão entre os temas mais frequentes na terapia. A novidade é que um aplicativo para smartphones promete resolver essas aflições via chat. Com um nome para lá de curioso, A Fila Anda diz ter 37 profissionais – psicólogos, sexólogos, sociólogos e psicanalistas – que recebem as dúvidas dos pombinhos em crise e recomendam a melhor decisão em até 24 horas. Uma semana após o lançamento, cerca de 300 usuários haviam baixado o programa, disponível por 3,99 dólares (9 reais), o único custo envolvido no serviço.

+ Faça o nosso teste e saiba como surpreender a pessoa amada no Dia dos Namorados

+ Pesquisa mostra motivos mais comuns para apagar tatuagens

Um piloto de empresa aérea paulistano, de 46 anos, por exemplo, pediu ajuda na relação com uma mulher que conheceu há poucos dias. Depois que ele se declarou disposto a se casar, a pretendente sumiu. Foi aconselhado a ligar de novo após três semanas e, das próximas vezes, evitar a proposta precoce. “O comandante decolou antes”, resume o criador do software, o consultor de marketing Heverton Anunciação, no melhor estilo psicologia de botequim. Com formação original em ciências da computação, ele tornou-se uma espécie de terapeuta comportamental autodidata nos últimos dez anos, escrevendo livros com títulos sugestivos como Nunca Case Antes dos 30.

+ Detalhes exclusivos do Templo de Salomão, nova sede da Igreja Universal

No exterior, já apareceram serviços de clínica terapêutica por celular (veja o quadro abaixo), mas nada nesses moldes. Consultas via Skype até são comuns, mas para quem já faz análise presencial. O ineditismo aqui é o contato exclusivo por mensagens de texto com profissionais anônimos. “Não é ilegal, mas há desacordo com princípios éticos, pois o psicólogo precisa se apresentar”, diz Luiz Eduardo Valiengo Berni, membro da Comissão de Orientação e Fiscalização do Conselho Regional de Psicologia.

 

A real efetividade da iniciativa também é posta em dúvida. “Eles prometem soluções rápidas, mas nesses casos não existe Band-Aid”, afirma Luciana Saddi, mestre em psicologiaclínica pela PUC. Anunciação defende-se dizendo que a proposta é justamente fugir da linguagem acadêmica. “Formei um grupo de pessoas que sabem o que acontece na noite paulistana, não ficam citando Freud nem Nietzsche”, afirma.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s