Estados firmam acordo para a transposição do Rio Paraíba

Governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais acertam a transferência de água para o Sistema Cantareira

Os governadores de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho (PP), firmaram acordo nesta quinta (27) para que em fevereiro de 2015 seja apresentada uma decisão coletiva sobre a transposição da água do Rio Paraíba do Sul para o Sistema Cantareira, que abastece 6,5 milhões de pessoas na região metropolitana de São Paulo. “Falta muito pouco (para o acordo). As equipes técnicas estão bastante acertadas para fechar o acordo final”, afirmou o governador Pezão.

+ Confira as últimas notícias sobre a cidade

Os governadores deixaram encontro no Supremo Tribunal Federal (STF) sem explicar o que ficou acordado na prática. Eles apenas se esforçaram para transmitir uma imagem de entendimento. Somente em fevereiro, portanto, deverá ser apresentado como será o uso da água do Paraíba do Sul.

 

O governador do Rio, que no início do mês pediu à Agência Nacional de Águas (ANA) para não autorizar a transposição, deixou a reunião afirmando que a conversa foi importante para “transformar esse limão numa limonada”, numa referência à disputa com São Paulo. “Ninguém quer prejudicar nenhum estado”, disse Pezão.

+ Mesmo com chuva, nível do Cantareira continua em queda

Já Alckmin disse que saía “confiante” de que o projeto que será apresentado em três meses irá “garantir a vazão do Rio de Janeiro” no Paraíba do Sul, que forma a Represa do Funil no lado fluminense e representa cerca de 83% do abastecimento na cidade do Rio de Janeiro.

Sistema Cantareira - NASA

Sistema Cantareira – NASA

A disputa pela água levou o Ministério Público Federal (MPF) a emitir uma ação ajuizada contra a União, a ANA, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. O MPF tenta impedir a ANA de autorizar a Sabesp de captar água no Paraíba do Sul para abastecer o Sistema Cantareira.

+ O mês de outubro foi o mais seco em 84 anos do Sistema Cantareira

O ministro Luiz Fux, do STF, negou pedido de liminar feito pelo MPF na ação no início de novembro. Depois, o ministro sugeriu a audiência pública entre os governadores e órgãos técnicos envolvidos, além da Sabesp. Ele afirmou hoje que o acerto entre os governadores irá suspender as ações judiciais contra o projeto paulista de retirar água do Paraíba e criar uma reserva de 162 bilhões de litros como uma espécie de “volume morto” para oferecer ao Rio de Janeiro em contrapartida. “Houve perfeita harmonia nesta reunião de hoje, em que os Estados manifestaram desejo mútuo de se auxiliarem no problema hídrico da região Sudeste”, disse.

A proposta de transposição foi elaborada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e técnicos da Universidade de São Paulo (USP). A obra estimada em 830 milhões de reais precisa do aval da ANA.

+ Fotos mostram a diferença do Sistema Cantareira em seis meses

Caso o órgão federal autorize o projeto, a Sabesp poderá retirar uma média de 5 000 litros de água por segundo do Paraíba do Sul. A captação tem o objetivo de aumentar os níveis de garantia do Sistema Cantareira, a partir de uma obra interligando as represas Jaguari e Atibainha.

O projeto é uma das oito obras apresentadas pelo governo paulista ao governo federal para conseguir parte dos 3,5 bilhões de reais previstos. Mas a transição sofre resistência dos governos do Rio de Janeiro e de Minas Gerais.

Seca 2

Seca 2

O Paraíba do Sul corta Minas e São Paulo, onde a água é armazenada na Represa de Paraibuna. A partir da reserva paulista, que será assegurada como o volume morto que irá servir de fiança para a transposição, corre para o estado do Rio, onde posteriormente forma a Represa do Funil.

O governo fluminense defende que a Represa Paraibuna funcione como uma reserva estratégica para abastecer a região metropolitana do Rio de Janeiro. O estado entrou com o pedido na ANA, no dia 5 de novembro, questionando a existência de um volume morto no reservatório para usá-lo caso a seca se prolongue e dificulte o abastecimento da população.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s