A luta de quem perdeu um familiar em uma tragédia

Paulistanos falam sobre sua difícil jornada em busca de justiça

As três histórias relatadas a seguir têm como ponto em comum não apenas a perda de familiares queridos, que foram vítimas de motoristas imprudentes. O engenheiro Rafael Baltresca, o jornalista Ricardo Viveiros e a gerente comercial Mirela Corradine, cada um a sua maneira, também partilham do engajamento na luta por justiça. O caso de Mirela é o mais recente: no dia 2 de outubro, o marido morreu atropelado por um caminhoneiro não identificado. Ainda em choque, ela espera um desfecho semelhante ao de Viveiros, que depois de catorze anos conseguiu localizar o dono de um Opala que lhe tirou, de uma vez, filho e neta. No domingo 23, o jornalista levou 500 pessoas ao lançamento do livro “O Poeta e o Passarinho” (Editora Biruta), narrativa metafórica sobre perda escrita pouco tempo após a tragédia e só agora publicada.

Já Baltresca, que teve a mãe e a irmã atingidas por um Golf numa calçada ao lado do Shopping Villa-Lobos, em 17 de setembro, arregaça as mangas de outra forma. Ele se engajou em uma causa recém-lançada pela seção de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil: a criação de um projeto de lei para endurecer a punição a atropeladores bêbados. Sua participação ajuda a divulgar a petição, que em dez dias conseguiu mais de 120.000 adesões (cerca de 10% do necessário para ingressar na Câmara dos Deputados) e pode ser vista no site http://www.naofoiacidente.com.br. Para todos eles, a mobilização não é apenas uma medida para criar um país mais justo, mas também para buscar algum conforto em meio a tanta tristeza. “Saber que a justiça foi feita pode ajudar essas pessoas a encontrar sentido para seguir sua vida”, diz a psicóloga especialista em luto Gabriela Casellato, doutora pela PUC.

1/3
Veja o depoimento de Rafael Baltresca, que perdeu a mãe e a irmã atropeladas em calçada ao lado do Shopping Villa-Lobos, em 17 de setembro ( / Missão: uma lei eficaz)
2/3
Veja o depoimento do jornalista Ricardo Viveiros, que perdeu filho e neta em colisão na Rua da Cantareira, em 1996 ( / Catorze anos à procura do motorista)
3/3
Veja o depoimento de Mirela Corradine, que perdeu o marido num atropelamento na Imigrantes, em 2 de outubro ( / Sem pistas do culpado)
Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s