Lydia Okumura – dentro, o que existe fora

VejaSP
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Julia Flamingo

Quando se mudou para Nova York, em 1974, para participar de um curso de gravura, a brasileira Lydia Okumura sabia que o trabalho impresso não era exatamente o que queria fazer. “Eu sempre pensei no ambiente tridimensional, e a gravura compreende apenas duas dimensões”, conta a artista, de 69 anos. Ela começou a inventar artimanhas para que suas criações pudessem sair do papel e tornar-se instalações. Com fios presos a cantos de parede e figuras geométricas traçadas nas paredes e no chão, passou a criar a ilusão de que seus desenhos são, na verdade, tridimensionais. Por duas semanas, ela trocou Nova York, onde ainda vive, por São Paulo para executar pessoalmente nove trabalhos desse gênero no espaço da Galeria Jaqueline Martins. Filha de japoneses, a artista preza o minimalismo acima de tudo. Riscadas nas superfícies irregulares do local, as linhas são quase imperceptíveis quando vistas de longe. Quem desejar ter uma preciosidade dessas em casa poderá negociar com a galeria o valor (a partir de 30 000 reais) para que um dos assistentes da artista vá ao local que o colecionador escolher e replique a intervenção. Até 18/3/2017.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s