publicidade

Resenha por Miguel Barbieri Jr.

No Oscar, faturou os troféus de melhor filme, roteiro adaptado e atriz coadjuvante, para a luminosa Lupita Nyong’o. O trunfo está no assunto raras vezes abordado no cinema. Inspirada na trajetória real de Solomon Northup, extraída do livro escrito por ele e publicado em 1853, a história enfoca o período em que esse negro nascido livre virou escravo. Em 1841, Solomon (papel de Chiwetel Ejiofor) tinha uma vida tranquila com a mulher e um casal de filhos em Nova York. Violinista, foi seduzido por dois empresários a fazer apresentações em Washington. Tudo ia bem até ele acordar preso e, em seguida, ser levado para o racista sul dos Estados Unidos. Vendido como escravo, Solomon foi tratado como mercadoria, mudou de donos e virou objeto de humilhação do irascível Edwin Epps (Michael Fassbender, ponto alto do elenco). Brad Pitt, um dos produtores da fita, faz uma participação quase constrangedora. Há uma falha grave: pouco se sentem os doze anos em que Solomon ficou longe da família, e o reencontro deles parece emocionalmente forçado. Entre as qualidades, o diretor Steve McQueen (de Shame) extrai o melhor de seu casting, expõe abertamente o tratamento dispensado aos negros e compõe o registro com cenas fortes. Estreou em 21/2/2014.

publicidade